Terça-feira, 21 de Junho de 2005

Poemas sobre o estágio

“O caminho”

A vida é feita de momentos
Dos bons, dos maus
De todos os momentos
A vida é um caminho.
Longo ou não
Tudo depende de nós
E de quem encontramos nesse caminho.
O percurso que persegues
Perseguir-te-á até ao fim da vida.
Faz parte de cada um descobrir o seu caminho
Por vezes é preciso arriscar
Cair e levantar
E sorrir
Sozinho pode ser.. mas…
Ter um amigo para te acompanhar
faz parte da alegria e do prazer da vida.
persegue o sonho
e encontrarás o caminho.
(Junho de 2005)


“Olhar-te”

Conhecer-te foi o que quis
Tentar imaginar como serias
Como crescias, como vivias
Como brincavas e rias
Era tudo o que eu queria.
Entrar nas portas da vida
E olhar-te nos olhos
Ver nos olhas da criança que és a alegria a criatividade
A minha inspiração
Ver nas tuas pequenas mãos o teu futuro
Brincar contigo
Abraçar-te
Conhecer-te.
( Junho de 2005)


“Apaixonei-me”

E depois de vos ver
Apaixonei-me
Pelo vosso olhar
Sorrisos de ouro a cobrir a lua.
Agora só penso em vós
Encantadoras crianças
E agora dá-se um novo inicio em mim e em vós
Agora vamos iniciar uma caminhada lado a lado
Vamos percorrer um outro caminho mais belo
Agora quero-vos encher de amor e alegria
De criatividade de brincadeira
Quero começar a minha vida
Aqui
Perto de vocês
Quero-vos mostrar coisas lindas
Quero que descubram,
Que procurem as vossas respostas,
Que experimentem coisas novas,
Que se divirtam a aprender
Que joguem e vivam em conjunto.
(junho-2005)
publicado por mithus às 10:33
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 14 de Junho de 2005

Para Alguém Inutil

tenho saudades
de alguém que não vejo à algum tempo
tenho saudades
daquele que esteve aqui
mas que nunca esteve presente
tenho saudades de alguém
que ao fim de tanto tempo
nunca conheci
como posso eu ter saudades
de alguém que nunca esteve dentro do meu coração?
pariste à tanto tempo daqui
e
para mim foi melhor assim
nunca estiveste aqui verdadeiramente
foste o ódio que cresceu dentro de mim
o demonio que habitou
nos locais mais negros da minha memoria
não te quero mais ouvir
do vazio que deixaste dentro de mim
não sei quem és, não te quero aqui
quero-te ver loge de mim
esquecer-te é um fim.

Setembro/ 1998
publicado por mithus às 20:07
link do post | comentar | favorito
Sábado, 11 de Junho de 2005

A tua poesia

L.JPG
publicado por mithus às 22:20
link do post | comentar | favorito
Sábado, 4 de Junho de 2005

Liberta as armas do teu coração

Liberta as armas do teu coração.
Liberta o ódio e as guerras que ainda te suportam,
Porque esse não é o suporte da vida.
Ama o dia, a noite
O crepúsculo e o amanhecer.
Agarra as tuas vitorias
E sê feliz nas tuas glorias,
Mas liberta o teu coração!
As espadas que te suportam
Fazem-te esquecer…
Os punhais que te devoram
Fazem-te viver
No paraíso que criaste
Igual à tua imagem.
A tua força para mim
é o teu sofrimento.
Não sabes para onde fugir.
Destróis-te.
Não te constróis.
Pensas que te construíram
Tu é que te destróis
Pelo que pensas ser, mas que não és.
Correm-te memorias na alma,
Castelos que construíste
Mas não pensas que
Afinal
Ergueste as tuas próprias muralhas.
Não deixas entrar ninguém,
Nem um sorriso,
Nem uma lágrima,
Nenhuma emoção.
Pela razão pensam os homem que são
Mas pela razão da lógica da mente
Se destroem e consomem.
O teu passado é velho, respira pelo tumulo da noite.
Renova-te!
Dá força ao presente,
Olha em frente!
Segue um caminho diferente!
Tenta encontrar a tua verdade
Que no fim
Não é mais que um novo olhar sobre a vida.
Pensa
Que as diferenças não são a ignorância dos homens
São a valorização das vidas.
A tua mente não é grandiosa!
Pensas ser grande…
Não passas de um menino ainda.
Menino que quer voar pelas asas do vento sul.
Queres partir o gelo que construíram ao teu redor
Liberta-te dessas velhas memorias
Porque vives numa prisão de fraquezas
Que pensas não tere.
És como eu, pensas que não?
Somos iguais.
Eu,
Quando morrer
Levo-te comigo
para tu veres,
que do outro lado do espelho tu e eu
somos iguais.
Um dia,
sou eu que te irei mudar
e comigo aprenderas que a vida
não são guerras para combateres a todo a hora,
nem são memorias que tens de defender,
sãs as vitorias que construíste
com doçura, com sorrisos, com amor,
sem teres lutado com nada nem ninguém.
E quando chegar esse momento
Ir-te-ás redescobrir
Como a Félix no seu ultimo grito.
E ai,
Serás verdadeiramente grandioso.
publicado por mithus às 20:49
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. O dia em que os anjos per...

. Para "The Perfect Woman"

. É a ausência do visível, ...

. A história da ponte dos a...

. Quero-te, numa noite de V...

. Somos um

. Luz da minha vida...

. Imaginarium of the ALIEnS

. ...oo00O...ALIEnS...O00oo...

. A rosa da tua vida

.arquivos

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds